31 de dezembro de 2003   —   12:36:19
E finalmente eu dei início ao processo pra tirar a tão falada carteira de motorista.

Após me inscrever na auto-escola, fui para o Detran fazer os exames. Na hora do exame médico, errei alguma coisa das letras miúdas do exame de vista, mas ao me dar conta e tentar corrigir, a médica já havia preenchido minha ficha e me classificado como apto.

Começou então uma looonga espera pelo teste psicotécnico. Surge, então, um mala com uma camisa azul com uma cruz enorme estampada e os dizeres “Racionais MC’s – Sobrevivendo no Inferno”. Tudo o que eu não precisava era um mala que gostava de Racionais MC’s. Seguiu-se então o diálogo mais ou menos assim, iniciando pelo mala:

Você veio fazer o exame médico também?
Eu já fiz. Tô indo pro psicotécnico.
E você passou?
Passei.
Como é esse exame médico?
Você faz um exame de vista pra ler umas letras miúdas e faz um teste de força.
Teste de força? Hehehe.

Não sei que graça ele viu no “teste de força”, talvez tenha estranhado como alguém do meu porte físico de jogador de baralho tenha passado num “teste de força”. Devia se achar muito forte com seu físico de porco.

Bem uma hora depois do exame médico, entra eu e mais umas 6 pessoas numa sala pra fazer o exame psicotécnico. O psicólogo explica a todos para preencher o cabeçalho duma folha com nome, idade, escolaridade e data. O mala decide entrar em ação, dessa vez com o psicólogo.

Peraí, não entendi, como é?
Você vai preencher essa folha com seu nome, sua idade, escolaridade e data.
Escolaridade?
É, escolaridade. 1º grau, 2º grau completo, incompleto, superior… Qual sua escolaridade?
Ah. 2º grau mfkgrpréto. disse o mala, dum jeito que não deu pra entender, mas terminava com -préto. O psicólogo, muito gaiato, decidiu tirar uma da cara do mala:
Peraí, você tem 2º grau compréto ou incompréto?
Incompréto!

O mala então se retira, preenche a folha e todos fazem um teste nojento com umas setinhas brancas e pretas apontando em todos os sentidos e direções. Após recolher essa folha, o psicólogo entrega um caderninho do tempo do onça com 40 questões ridículas, fáceis ou fodas, pra você marcar que opção tem um desenho que completa a parte que falta num desenho principal. Assim que o psicólogo sai da sala, o mala tenta conseguir pesca do cara que estava sentado na frente dele.

Após sair da sala, minutos depois recebo o resultado do teste. Não sei quanto ao mala, mas acabei passando (meus amigos estranharam). Tomara que um dia ele não bata o carro no que eu estiver dirigindo.

   —   11:44:17

Feliz Ano Novo!

Muita saúde, felicidade, sucesso e dinheiro em 2004!
E que neste e nos próximos anos a vida seja vivida com intensidade (no melhor sentido que “intensidade” possa ter).

29 de dezembro de 2003   —   12:09:50

Muito bom o show dos Los Hermanos! Como conhecedor da banda em fase de catequese e o Igor e a Alinne sabem desempenhar muito bem essa função gostei muito, os caras têm uma simpatia natural muito grande em palco e fora dele.

E não é todo dia que podemos conferir uma banda boa sem outras duas ou três atrações de grande porte, e geralmente de PÉSSIMO gosto (até show do Asa de Águia já tive que encarar por causa disso), pra encher o saco com horários.

Pra quem não foi ao show: arrependei-vos.

28 de dezembro de 2003   —   03:51:05

Los Hermanos no aeroporto 😀

Aqui vão as fotos, ainda sem legenda por motivos de pressa. As primeiras são eles chegando, depois eu e o Marcelo Camelo, depois eu o Barba, e ainda o Belchior que tava pelo aeroporto. Infelizmente não deu pra descolar autógrafo de todos, devido a lotação (a Alinne vai falar disso no blog dela) e a pressa da banda.

   —   02:36:57
Eu posso me arrepender desse momento de otimismo, mas a vida às vezes nem é tão bandida.