29 de janeiro de 2004   —   10:39:52
“Estamos com problemas técnicos!”

O problema: Meu blog é hospedado na Kit.net e feito através do Blogger.com.br. A partir do dia 1º de fevereiro, a Kit.net será exclusiva para assinantes Globo.com.

O plano original que eu tinha era escrever meu próprio sistema de blogging. Eu venho fazendo isso desde o início do ano passado, e quando eu terminar terei um blog e um fotolog juntos numa página só.

O segundo problema é que como nunca me dedico aos meus próprios planos, eu não termino isso nunca. Sem falar que meus planos era hospedar isso no espaço que tenho na UFC, mantido pela moçada do CA da Computação, mas o tal do servidor de lá vive dando problemas.

A solução: nos próximos dias, meu blog vai mudar de endereço. Vou ter que pesquisar isso rapidinho, pra poder colocar o endereço logo aqui. Blogspot? Weblogger? Blig? Não tenho a mínima idéia…

26 de janeiro de 2004   —   11:19:45
E eu hoje eu tive a primeira aula prática de direção.

A aula foi na hora do rush, mais ou menos de 17:20 até 19:00, com direito a motoristas putos da vida buzinando atrás de mim, caminhoneiro fazendo barulho atrás pra assustar, toda aquela falta de respeito como se quem tivesse atrás nunca tivesse passado por uma auto-escola antes. Uma hora o instrutor, muito sacana, disse pra eu parar e ligou o pisca-alerta do carro pra sacanear os estressados que estavam atrás.

Como já era previsto, começou a chover também. E o vidro embaçou e mal deu pra enxergar. Após fechar as janelas, ficou beeem quente dentro do carro. E juntando isso a direção dura pra cacete, lembrei que todo mundo disse que eu ia sair suado das aulas. Dito e feito.

Preciso aprender a soltar devagar a embreagem e freiar não tão bruscamente. No mais, é isso. Agora faltam só mais 13 horas-aula e o exame carrasco de direção.

25 de janeiro de 2004   —   04:08:59


Maybe I will never be
All the things that I want to be
But now is not the time to cry
Now’s the time to find out why
I think you’re the same as me
We see things they’ll never see
You and I are gonna live forever…

E aqui estou eu, na minha hora favorita, entre 4 e 5 da manhã, virando mais uma noite pela enésima vez consecutiva. Viva as férias! Viva a mãe do Gabriel que me deixou em casa e me fez economizar uns 13 reais! Fiquei conversando no Dragão com a Elisa (será assim que escreve? Espero…) Eliza e com o Gabriel, gente que eu conheço faz tempo mas pela primeira vez parei pra conversar, e foi muito bacana.


I wanna talk tonight
Until the mornin’ light
‘Bout how you saved my life…


E tô aqui olhando o sol nascer pela janela e ouvindo Oasis. Digam o que disserem, os caras podem não ser uma lição de simpatia mas Oasis é bom demais. Pouco a pouco vou me embrenhando pelo rock estrangeiro. A Thais até estranhou quando comprei os CDs do Oasis, e uma vez em 2001 fui chamado de “nacionalista xenófobo” por ouvir só rock nacional. Vivendo a aprendendo Aprendendo inglês, principalmente.

E eu queria mandar um beijo pra Monique, com quem passei um pouco da noite. Bem, é isso. Bom dia pra vocês, talvez eu escreva algo mais tarde.

Autocomentário: Esse post foi um saco. Odeio posts dizendo o que estou fazendo, fiz ou coisa do gênero, e falando dos meus amigos que ninguém que lê o blog conhece. Me desculpem, mas vou postar assim mesmo, hoje deu vontade. E nunca postem essas coisas nos blogs de vocês. Nunca.

24 de janeiro de 2004   —   05:48:21
Rápidas

Estou sem fazer a barba há 25 dias. · A Van é gente boa e foi embora de volta pra São Paulo. · Chegou meu livro de Java e meus CD’s do Oasis (alow Dani! Lembrei de você.). · Acho que eu nasci pra ser solteiro e não tenho andado a fim de mudar meu destino. · Segunda-feira começam minhas aulas práticas de direção, na hora do rush e se bobear ainda tem chuva! · Não faço a mínima idéia de quem é “A mesma daquela noite” que volta e meia comenta aqui. · Que triste, as pessoas não sabem comentar poemas, no poema logo abaixo só teve até agora 1 comentário decente (o da Bela). · O frio dá uma calma interior e deixa a gente pensativo pra cacete…

22 de janeiro de 2004   —   01:36:48


Memória

Amar o perdido
deixa confundido
este coração.

Nada pode o olvido
contra o sem sentido
apelo do Não.

As coisas tangíveis
tornam-se insensíveis
à palma da mão.

Mas as coisas findas,
muito mais que lindas,
essas ficarão.
(C. Drummond de Andrade)