28 de setembro de 2004   —   11:06:38

Impaciência, tédio e tensão.

Estes são dias de tédio.

Nada pra fazer, nenhum canto pra sair à noite. Voltei à época dos meus 13 anos onde o máximo que dava pra fazer era sair pra shopping, mas na época o que me limitava era a idade.

Não suporto mais olhar o monitor, e quanto mais tempo gasto na frente dele mais irritado eu fico. Aí eu tento ler um livro e não me concentro. Aí eu tento jogar algo mas não consigo me enganar.

Fortaleza só piora ou eu sou pessimista demais? Se você não gosta de forró e pagode, você tá lascado e pronto.

24 de setembro de 2004   —   12:04:31
Don’t Look Back In Anger
“It’s about not being upset about the things you might have said or done yesterday, which is quite appropriate at the moment. It’s about looking forward rather than looking back. I hate people who look back on the past or talk about what might have been.”
(Noel Gallagher, numa entrevista)

Porque hoje eu acordei animado, tanto que estou com medo. Estou otimista a ponto de ficar pessimista e imaginar que algo chato vá ocorrer depois, mas enquanto não ocorre eu tento sorrir.

Porque não cheguei onde eu gostaria de estar ou deveria estar, mas quem disse que foi fácil chegar aqui?

Porque tenho 19 anos, estou na melhor fase dos últimos anos, e não quero mais ter 14 ou 15 anos ou voltar ao passado.

Amém.

21 de setembro de 2004   —   02:18:05
Born to be rice!
Pérolas aos porcos em forma de desabafo dum arroz orgulhoso

Pois é, portanto, larga de ser arroz ,pô?!! Romantismo momentaneo é uma coisa,
até bacana, as vezes, mas romantismo ilusorio, cego e limitador num serve de
nada. Sabe o que você tá parecendo, Esdras?! Aquelas donzelas de estorinha
medieval que ficam esperando o principe encantado.
Arrisca ,Tenta, se permite.
Pois é, bronca dada.
Falou meu velho

(comentário do Haroldo no meu fotolog)

Explicando minha forma de pensamento resumidamente, que meus conhecidos mais antigos conhecem bem mas não uso muito tempo falando pros novos:

E não seria ilusório o romantismo momentâneo?
Por que as pessoas têm má visão de limites? Sem limites e disciplina só existe desordem e assim ninguém chega a canto algum. As pessoas têm uma sede de porralouquismo, se você fala de limites, disciplina ou leis, elas tacham logo você de fascista.
O que é romantismo momentâneo? Pra mim é ilusão criada em pseudoamores passageiros, quem sabe às vezes um tempero sem gosto prum beijo sem sentimento.
E por que a pressa? Meu primeiro beijo foi aos 16 anos. Se preciso for, espero 16 anos de novo, ou mais. Se eu tô me guardando? Tô mesmo. Beijar por beijar, eu prefiro ser arroz.

Nunca deixei de cumprir alguma vontade. Eu simplesmente não vejo sentido em algumas coisas, o que não me desperta vontades comuns.

Amor não se procura, se acha. Foi a primeira idéia que tive quando parei de vegetar e comecei a pensar, uma amiga minha, a Fanny, me falou isso em 99 e nunca esqueci. Eu vou continuar esperando minha princesa encantada. Quem tem pressa beija sapo e termina na merda.

Eu sei o que muita gente vai pensar quando ler isso. Quadrado? Mole? Frouxo? Retrógrado? Atrasado? Puritano? Moralista? Falso moralista? Viado? Chamem do que quiserem, não vai ser nada de novo ou que eu não tenha escutado nos últimos 5 anos.

Ps.: Haroldo, não considere isso uma ofensa, o texto não foi pra ofender, mas pra desentalar, desabafar. Nada que afete nossa amizade. Um abraço.

13 de setembro de 2004   —   02:27:16

Segunda-feira
(mas podia bem ser qualquer dia)

Dou bom dia pro trocador
que nem sempre responde

Eu vejo os automóveis sorrindo,
me provocando

Eu vejo as roupas nas vitrines
e coisas que um dia ainda vou comprar

O suor que escorre nas costas,
o reflexo num vidro me lembra quem sou

Eu admiro as garotas dos outdoors
e vejo as garotas que nunca vou ter

Eu aborto um amor a cada minuto
– Oi, bom dia pra você também

Cada semana começa igual a outra,
bis eterno dum espetáculo chato…

12 de setembro de 2004   —   03:38:37

Tô de volta a Fortaleza, Florianópolis regarregou um bocado minhas pilhas e tô uns anos mais novo (São Paulo descarregou um pouco, mas ok). A amicíssima Polyanna me disse uma vez que pisar na areia da praia descarregava energia negativa, acho que o fiz em grande estilo.

Se um de vocês tiver a chance de ir em Florianópolis, arrume as malas e VÁ. Sem pensar duas vezes.