Capitão de Indústria

26 de fevereiro de 2007   —   00:12:31
Só sei que tenho sentido falta de muita, muita coisa. Do contato com os amigos, das noites de festa em que eu voltava de madrugada pra casa de alma lavada, da sensação de realização e felicidade que dão as coisas verdadeiras, que fazem bem pra alma e alimentam o espírito.

Sinto falta do tempo que eu dizia "Papai, me dá dez reais pra eu sair?", e eu saía e me divertia. Mas sempre chega aquela época em que a gente tem que se virar, e aí a gente começa a trabalhar, ainda que tenha que estudar ao mesmo tempo. E, na hora de sair, a gente simplesmente capota. E pede desculpas aos convites por causa do cansaço. À noite, com a cabeça no travesseiro, a gente pensa num monte de coisas que, se a gente for analisar, são uma grande bobagem.

Aquele caminho, mesmo o caminho-padrão de casa até os mesmos lugares de sempre, parece longo para quem dirigiu o dia todo ou pegou vários ônibus. E ainda tem a questão da violência urbana, uma vez que contabilizo vários amigos sequestrados, e é mais um fator pra eu evitar os antigos cantos. Acabei aposentando minha vida de rato do Dragão do Mar.

Até mesmo na hora de sentar no sofá e ver um filme, coisa que sempre fiz sem problemas, tenho estado cansado. Está ficando uma constante, pra mim, sentir um puta dum sono na hora dos filmes, com a cabeça a mil pensando em 472 coisas para resolver.

Trabalho é bom e ócio faz mal. Mas tem horas que sinto falta das coisas mais simples, tão essenciais…

… … …

Entro, então, na minha última semana de férias. E entro com um certo vazio, de quem olha pras últimas semanas e pensa que não deu tempo. Tempo pra dormir direito, pra ler uns livros, ver os amigos, realizar projetos pessoais.

Parece que, ao sair do trabalho, o resto do meu tempo é preenchido com toda uma porção de coisas insignificantes, mas que tomam o resto do meu tempo. Então, na hora de dormir, olho pra trás e… cadê? O que eu fiz do meu dia?

Pra ouvir:
:: Paralamas do Sucesso – Capitão de Indústria
:: The Smiths – Heaven knows I’m miserable now

Como se faz uma matéria de jornal

16 de fevereiro de 2007   —   11:47:12
A amicíssima Amanda Queirós, jornalista, bailarina e figura, estava fazendo uma matéria para o jornal O Povo sobre o que fazer durante o Carnaval em Fortaleza. Só que ela não conhecia nenhum mazela que não fosse viajar, por incrível que pareça, e estava procurando por uma pessoa dessas no MSN. Como eu estava, no fim de semana, numa mesa de 5 pessoas onde todos diziam que iam ficar em Fortaleza, começou a enxurrada de planos. E acodi, assim, a pobre jornalista. Aqui vai um trecho do texto que saiu hoje, no caderno Vida & Arte do Jornal O Povo:

"A solução é juntar os amigos, alugar uns filmes, fazer algo bom para comer e aproveitar. E também rezar para que Fortaleza continue com esse frio durante o Carnaval", afirma o estudante universitário Esdras Beleza, de 21 anos.

Tá pensando que é fácil fazer isso aí?A parte legal é como eu, conversando com a Amanda, cheguei nessa resposta…

Eu primeiro sugeri que você pode ir ver o Maracatu da Domingos Olímpio levando um 38 e se matar vendo a Unidos do Acaracuzinho ou qualquer outra escola de maracatu com nome de imitação de escola de samba carioca, num ato de protesto à própria mazelice de quem ficou entediado em Fortaleza enquanto os amigos se divertem numa casa de praia ou de serra.  Só que isso a Amanda não podia pôr no jornal, né?

Em seguida eu falei: "mas a solução mesmo é juntar os amigos, alugar uns filmes, fazer uma comidinha supimpa e ficar reunido". Mas pedi pra ela tirar a parte da "comidinha supimpa", porque quem lesse isso sem me conhecer acharia que Esdras Beleza é um gourmet gay. Por fim, acabei reescrevendo isso e virou a parte do jornal, que a Amanda publicou exatamente como eu disse. Incrível: uma jornalista que não altera a fala do entrevistado.

Logo em seguida, a Amanda quis os créditos e perguntou: "esdras beleza, 22 (?), estudante de computação?", ao que respondi "21. e tira o ‘estudante de Computação’ e põe ‘estudante universitário’. vão achar que eu sou um nerd que adora o Carnaval na internet".

Perfeito. Estava pronta minha entrevista. Vou já sair do trabalho e comprar um exemplar, pra eu ler no Carnaval se não conseguir sair de Fortaleza. E ainda tem as palavras cruzadas…

God gimme soul and all rock’n’roll

6 de fevereiro de 2007   —   11:30:22
Minha guitarra
Coisa linda do papai

Comecei a realizar um plano que estava sendo adiado, por razões diversa$, há anos: aulas de guitarra. E em alguns dias já aprendi mais que nos anos todos que vim adiando essa idéia. Como músico autodidata, sou um excelente analista de sistemas.

E é bom que daqui pra 2010 eu devo estar tocando bem, aí quando eu for pra Londres posso fazer uma banda de rock inglês.