Madrugada

24 de abril de 2007   —   00:57:54
Tenho sono de manhã, nas aulas. Vou despertando com o passar do dia e, à noite, minha cabeça está a mil. Brotam mil textos, mil idéias, mil vontades, mil planos. Mas é tarde, e às oito da manhã tenho, após doze quilômetros, que ouvir alguém na minha frente jogando coisas que nem sempre me fazem muito sentido. É quando meu corpo pede pela minha cama e minha alma pede por libertação.

Eu devia estar dormindo agora. E sinto uma certa culpa por isso.

A rotina não tem me feito bem. E a palavra "rotina" ecoa na minha mente todo dia antes de dormir, quando penso no que será do dia seguinte, quando brigarei com ela nos espaços e tempos de sempre.

Dia de São Jorge

   —   00:46:22

Jorge da Capadócia
(Jorge Ben Jor)

Jorge sentou na praça
Na cavalaria
Eu estou feliz
Porque eu também
Sou da sua Companhia

Eu estou vestido
Com as roupas
E as armas de Jorge
Para que meu inimigos
Tenham pés e não me alcancem
Para que meus inimigos
Tenham mãos e não me toquem
Para que meus inimigos
Tenham olhos e não me vejam
E nem mesmo pensamento
Eles possam ter
Para me fazerem mal
Armas de fogo
Meu corpo não alcançarão
Facas e espadas se quebrem
Sem o meu corpo tocar
Cordas e correntes se arrebentem
Sem o meu corpo amarrar
Pois eu estou vestido
Com as roupas e as armas de Jorge
Jorge é de Capadócia

Salve Jorge, salve Jorge
Salve Jorge, salve Jorge

Tchau, quadrinhos

16 de abril de 2007   —   00:35:16
Homem-Aranha Nº63, Panini ComicsLi história em quadrinhos de super-heróis de dezembro de 1993 até setembro de 2000, quando minha assinatura não foi renovada. Eu vinha há um tempo insatisfeito com as histórias, que vinham sendo mal escritas e mal desenhadas: os quadrinhos americanos cada vez mais se aproximavam dos traços japoneses. Sem preconceitos, mas ora, se eu quisesse ler quadrinhos com personagens dos olhos grandes, eu compraria mangás!

Sei que, com o passar do tempo, as coisas caminharam pra melhor. Andei folheando as revistas, e os desenhos parecem bem melhores, as histórias parecem mais interessantes que há 7 anos. Pensei em dar uma chance. Só que uma revista dessas que o amicíssimo leitor vê ao lado custa nada menos que a bagatela de R$ 6,90.

Ah, pô, R$ 6,90. O que são R$ 6,90 por mês pelo prazer da leitura? E pros mais metidos a cult é bobagem, mas eu vejo quadrinhos como arte (tirando algumas fases, como a que esqueci minha assinatura). E vale como divertimento também.

Só que quem já leu quadrinhos, sabe que no meio duma história do Wolverine aparece uma citação a uma história de dois meses atrás numa revista dos X-Men, que contribui para o entendimento da história que você está lendo. E na revista dos X-Men, vai ter uma citação pruma história dos Vingadores de 6 meses atrás. E na revista dos Vingadores, tem uma citação pra revista do Homem-Aranha, que vai ter uma citação pro Wolverine… Elas não são revistas da Mônica ou do Cebolinha, as histórias se passam num universo complexo e têm continuidade… Aí você tem que comprar todas elas. E já não serão mais R$ 6,90.

Contei as revistas na prateleira da banca que me interessariam. Tinham seis. Ora, 6×6,90=41,40.  Começava a virar uma conta amarga. R$ 41,40 pro meu pequeno salário já começa a se tornar inviável. Aí cheguei em casa e fui abrir o site da Panini Comics, representante da Marvel e DC no Brasil. Tem um check list lá com todas as revistas que saem por mês. Abaixo, você confere as revistas mensais. Fora elas, ainda tem edições especiais que também serão essenciais à cronologia…

Ai, meu bolso
Se o sono tiver me permitido contar direito, só da Marvel, minha editora favorita, são 16 títulos mensais. Umas são mais caras, outras mais baratas, mas vamos fazer de conta que todas custam a mesma coisa. Teremos 16×6,90=110,40.

Cento e dez reais e quarenta centavos? Em que país eles pensam que vivem? Quadrinhos, pelo visto, é luxo pra classe A. Desse jeito, só vou comprar quadrinhos quando tiver dinheiro pra comprar um PT Cruiser conversível. Só a Narcisa Tamborindeguy e a Vera Loyola devem conseguir acompanhar a cronologia dos quadrinhos a esse preço.

E assim eu desisti de voltar a comprar quadrinhos.