A realidade nua e crua

30 de novembro de 2007   —   15:19:12


Malvados

(clique na figura pra ver a tirinha)

Os fabulosos circuitos com fator de cura

24 de novembro de 2007   —   14:36:30
Consagrado nos quadrinhos e nas péssimas adaptações pra desenho animado e cinema dos X-men, o mutante Wolverine é famoso por seu poder principal: o fator de cura. Não importa se ele é baleado, arranhado ou empalado, o organismo do cara dá um jeito rápido nas feridas, ele não envelhece muito e não gasta com plano de saúde. Ah, e se você gostou daqueles filmes nojentos é porque nunca leu X-men. Mas não é isso que quero discutir agora.

Wolverine

Wolverine, um mutante simpático com fator de cura.

A questão é que parece que os eletrodomésticos, eletrônicos e qualquer coisa com um circuito que eu compre também tem fator de cura. Um fator de cura meio chato pra mim, por sinal. Já aconteceu várias vezes comigo: algo que comprei fica com defeito, e quando levo pro lugar onde comprei ou pra assistência técnica, o objeto quebrado funciona perfeitamente e o funcionário olha pra mim com uma cara daquelas. Minha teoria maluca é que objetos eletrônicos, como os cães, gostam de passear.

A primeira vez foi quando comprei um pedal usado pra guitarra, o que se tornou A Saga do Pedal Possuído. Por várias vezes fui e voltei pra loja onde comprei o pedal ou prum conserto de eletrônicos aqui perto de casa. O pedal sempre funcionava nos cantos, mas não funcionava aqui em casa. Isso me custou várias caminhadas e idas ao Centro. Nunca vou esquecer do vendedor da loja olhando pra mim com cara de “Sim, qual o problema?”

Depois teve meu computador, que começou a reiniciar sozinho. Levei no lugar onde comprei as peças e o problema era simplesmente um cabo da fonte mal encaixado, que quando perdia contato com a placa-mãe fazia o computador reiniciar. Também teve um mouse que comprei e não funciona aqui em casa nem com reza braba, mas funciona supimpa na loja.

Agora foi a vez da minha televisão, que comprei há 4 meses. É uma TV Samsung tradicional, de tubo, nada dessas LCDs e TVs de plasma que ainda não posso comprar. Ontem à noite e hoje de manhã ela apareceu com manchas chatas na tela, e não, não tem nenhum outro aparelho ou ímã por perto. Levei na assistência técnica e, quando chego lá, a televisão funciona que é uma beleza.

Samsung CL-21K40MQ

Aproveitando a deixa, um aviso de utilidade pública é que, segundo o manual da minha TV, o tubo da TV é feito para projetar imagens não-estáticas e em formato tela cheia 4:3. Imagens que sejam paradas ou tenham parte da imagem parada, como aquelas barras pretas de filmes widescreen, podem danificar o tubo da TV se exibidas por mais de 15% do tempo que a TV é usada por semana.

A TV funciona bem até agora, tenho 8 meses de garantia pela frente e a assistência autorizada é aqui perto (lembre de levar isso em conta quando for comprar algo). Mas a parte mais chata de não ter uma TV LCD (ou um prédio com elevador) ainda foi subir três andares de escada segurando o aparelho.

Eu odeio a segunda via

19 de novembro de 2007   —   16:32:11
De uns tempos pra cá, tenho desenvolvido mais meu espírito ecologista. Em tempos de exagerado aquecimento global qualquer contribuição é bem vinda, e tenho tentado evitar o uso desnecessário de papel. Assim, guardo sempre em meu quarto papéis que usei apenas de um lado, como antigos trabalhos da faculdade, pra poder escrever depois do lado não usado.

Máquina dos infernos!Quando fazemos compras no cartão de crédito, as maquininhas de cartão sempre imprimem 2 comprovantes: um para a loja, outro para o cliente – a famigerada segunda via. Eu sempre jogo aquele troço fora, ou então esqueço ele na carteira e quando vejo já tem uma pilha de papéis acumulando (e faz algumas pessoas pensarem até que minha carteira está cheia de dinheiro, quem dera).

Quando as maquininhas infernais vão imprimir a segunda via aparece a confirmação no display: “Imprimir 2ª via?”. Nessa hora eu peço pra recusar a segunda via, e é aí que a dor de cabeça começa.

As pessoas são treinadas para obedecer uma sequência de passos na hora de passar o cartão, e se você recusa sua 2ª via estará fugindo do comportamento-padrão esperado (em programação, isso se chama “disparar uma exceção”). Já teve casos de me dizerem que não posso recusar minha via, ou do caixa dizer “tá ok!” e então imprimi-la e jogá-la fora, ou até mesmo do caixa ficar olhando pra mim, parado, sem saber o que eu queria dizer.

Entrei em contato com a Visa pra me informar melhor sobre como proceder pra recusar a segunda via. Estou pensando em tomar medidas extremas, como roubar a máquina da mão do caixa e apertar o botão vermelho. Tudo para poupar as pobres árvores.

Falsa autoria

15 de novembro de 2007   —   23:25:04
“Muitos temores nascem do cansaço e da solidão”
— Legião Urbana, em Há tempos

 

Se você pegar o encarte do disco As Quatro Estações, da Legião Urbana, vai ler na última página:

“O segundo verso de ‘Há tempos’ é de um texto achado numa igreja em 1600 e alguma coisa na Europa e veio por carta (…) Quando minha prima voltou do encontro jovem lá estava a mesma frase, no mesmo texto, dessa vez atribuída a um autor hindu desconhecido, na apostila (…) .”

As Quatro Estações - Legião UrbanaO texto citado no encarte do disco da Legião Urbana nada mais é que Desiderata, um texto que gosto bastante e que faço questão de divulgar através do link que fica no menu ali em cima (e também está disponível na forma de livro). Desiderata significa “aquilo que se deseja”, e foi escrito pelo filósofo Max Ehrmann em 1927. O texto foi distribuído numa igreja fundada em 1692, daí a confusão, e até algum tempo atrás foi divulgado sem indicar seu verdadeiro autor.

Há quatro anos, também pus no blog um texto fabuloso que rodava por aí e diziam que era de autoria do Arnaldo Jabor (e que merece ser comentado novamente por aqui), mas fui atrás de verificar a autoria e era, na verdade, da escritora Mônica Montone.

Mas essa ladainha toda é pra falar dum artigo do blog do Alessandro Martins onde ele divulga o link de outro blog, o Autor Desconhecido, que se dedica apenas a divulgar textos que circulam pela internet. Afinal, não bastasse receber o mesmo texto por e-mail várias vezes (e com dezenas de “>” em cada linha!), ele ainda vem com um autor diferente cada vez – Jabor, Drummond, Veríssimo.

Então, se você for do tipo que recebe um texto bonitinho por e-mail e sai logo divulgando, por favor: seja legal com o autor do texto e verifique a autoria.

Veja sobre Diabetes

5 de novembro de 2007   —   16:53:56
Não sou do tipo de gente que participa de comunidades anti-Veja no orkut e que acha os leitores da Veja medíocres, embora concorde que ela seja composta em sua maioria por anúncios e críticas ácidas.

Veja sobre DiabetesNa semana passada, a revista Veja fez uma matéria de capa sobre Diabetes, que reproduzo ao lado. Sou portador de Diabetes Mellitus tipo I há 11 anos, e alguns amigos meus prontamente me falaram da reportagem. Só tem um problema: a reportagem só servia para pacientes de Diabetes Mellitus tipo II, que não é o meu. Mas não é isso o que tem na capa.

Imagine, então, um paciente de Diabetes tipo I vendo a matéria de capa, morto de feliz achando que vai se livrar das várias injeções diárias de insulina e deixar de ser uma peneira humana ao ler a capa da Veja, e em seguida se decepcionando ao ler o conteúdo da matéria. É o que teria acontecido comigo, se o Cassiano (do Eu Podia Tá Matando), o primeiro a me falar da reportagem, não me fizesse um resumo da matéria antes que eu mesmo visse a revista nas bancas. Imagine se você tem um câncer de pulmão, vê uma capa de revista falando sobre “A cura do câncer” e quando abre a revista descobre que a cura noticiada só envolve câncer de esôfago…

Não pude, porém, deixar de enviar um e-mail à Veja falando do assunto:

 

Caros amigos da revista Veja,

Como qualquer pessoa, fico feliz pela reportagem sobre Diabetes da edição 2.032 de Veja. No entanto, ocorreu uma falha de comunicação absurda na capa: esqueceram de comunicar que a reportagem era sobre diabetes tipo II. Pessoas como eu, que sou portador de diabetes tipo I, tiveram uma grande alegria ao ver a capa, seguida por imensa decepção ao ler a reportagem e descobrir que a “esperança” noticiada simplesmente não servia para nós.

Fica, portanto, meu apelo de que, quando forem colocar reportagens desse gênero na capa – seja sobre diabetes, seja sobre qualquer doença -, ponham lá também a que segmento dos portadores a reportagem se refere.

Aguardo um retorno dos senhores.

Esdras Beleza de Noronha,
portador de Diabetes Mellitus tipo I há 11 anos

 

Pra piorar mais ainda, a maneira como a notícia foi feita acaba levando várias pessoas, principalmente as menos informadas, a crer que a cura está disponível a partir de hoje, e elas então vão desesperadamente atrás de médicos e hospitais querendo ser curadas. Isso acabou levando a um comunicado oficial da Sociedade Brasileira de Diabetes: “(…) Esperamos que a divulgação precoce,a um público leigo, de um procedimento ainda em fase experimental não estimule cirurgias desnecessárias e mal indicadas sob a expectativa de um milagre. (…)”

De tudo, fica apenas uma esperança: a de que os jornalistas tenham mais respeito aos portadores de doenças, em detrimento da vontade de vender revistas.