Subway Melt

31 de janeiro de 2008   —   12:35:05

Subway Melt

Me apaixonei.
Apesar de já ter ido a outras cidades que tinham Subway e já ter lojas da Subway em Fortaleza há um tempo, só nesses dias tive a oportunidade de comer um sanduíche de lá. Quando puder, coma um Subway Melt (peru, presunto e bacon) no pão de parmesão.

Sensacional.

Google e os 50 anos de Lego

29 de janeiro de 2008   —   12:30:11

Google e Lego

 

Ontem, ao acessar o Google nosso de cada dia, vi essa brincadeira genial na marca do pai dos burros moderno: uma homenagem aos 50 anos do Lego. Nada mais justo: Lego, na minha opinião, é um brinquedo pra todas as idades.

Não tenha dúvidas que quando eu ficar rico vou gastar horrores comprando os famigerados bloquinhos de montar. Sem contar, óbvio, nas edições especiais do Lego, como Lego Star Wars (no JáCotei tem uma lista com alguns e seus preços, fique à vontade pra me dar de presente, sim?).

Lego Star Wars
 
lego-star-wars-2.jpg

Esse vai pra lista de sonhos de consumo

Juno

27 de janeiro de 2008   —   15:24:35
Quando me convidaram pra ver Juno, confesso que não fiquei muito animado quando li a resenha e bati um pouco o pé. Acabei indo e foi bem melhor do que eu imaginava.

JunoA atriz principal, Ellen Page, que faz papel da adolescente de 16 anos Juno, na verdade tem 20 anos e já fez outros papéis, como a Kitty Pride do péssimo X-Men 3 e o papel principal da garota do Menina Má.com (pior nome de todos os tempos, mas é um bom suspense e faria mais sucesso se tivesse um nome melhor no Brasil). Ela transa com um colega de escola não muito atraente e acaba engravidando, e daí vem o resto do filme: a conversa com os pais, a dúvida do aborto (sem encher o saco com questões moralistas) e por aí vai.

O filme é curto (96 minutos) e não tem muita enrolação, ou seja, nada de cenas gratuitas que não colaboram muito com a história ou dão sono. Alguns cantos dizem que o filme é uma comédia, outros dizem “comédia/drama”, concordo mais com os últimos. A parte “comédia” não é aquela comédia mais besteirol com que estamos acostumados, de trapalhadas ou situações absurdas, e a parte “drama” é mais interessante.

Veredito final: não é meu filme favorito, mas é um bom filme. Vale a pena.

The Guerilla Art Kit

23 de janeiro de 2008   —   11:14:47
Aproveitei as férias para retomar um antigo hábito, ou melhor, um gosto: a leitura. Como a faculdade e suas leituras alienantes me deram uma trégua, pude ler novos e antigos livros que aguardavam alguma atenção minha na prateleira. Pois bem.

Em novembro, li o artigo “Guerrilha urbana”, de Denis Russo Burgierman, na revista Vida Simples do mesmo mês. No artigo, Denis falava da retomada da cidade pelos seus moradores, como podemos intervir no cenário urbano com pequenas intervenções artísticas e citava um livro, The Guerilla Art Kit, da canadense Keri Smith, que infelizmente ainda não tem tradução para o português.


The Guerilla Art Kit

Sensacional!

Acabei comprando o livro na Amazon, pelo precinho camarada de pouco mais de 12 dólares (menos que 25 reais) mais frete. Um livro assim no Brasil não sairia por menos de cinquenta reais (colorido, capa dura, espiral coberta pela capa). Como optei pelo frete mais barato, ele levou algumas semanas para chegar.

O livro sugere pequenas e grandes intervenções para tornar sua cidade um lugar mais sociável: pregar cartazes indicando cantos que raramente são notados, “esquecer” livros em locais para que outras pessoas os leiam, decorar objetos como hidrantes e placas.

Minhas sugestões favoritas foram a jardinagem de guerrilha (o livro ensina a fazer “bombas de sementes”: sementes com argila para você abandonar nos cantos e fazer surgir novas plantas), a animação de objetos inanimados (algo como pôr “olhos” de papel em hidrantes e deixá-los com aparência humana) e os ambientes em miniatura (fazer bonequinhos de rolha e decorar calçadas, árvores, jardins…). São muitas, muitas sugestões.

Para ver a proporção que uma brincadeira dessas pode tomar, basta lembrar das intervenções feitas ano passado em bueiros de São Paulo, pelos grafiteiros do Projeto 6 e Meia.
 

Trabalho do Projeto 6 e Meia

Trabalho dos grafiteiros do 6 e Meia em São Paulo


 
Mesmo que você não tenha talento (ou coragem, já que você pode acabar como infrator) pra fazer intervenções desse tipo, o livro dá diversas sugestões amigáveis à lei. Sem dúvida, uma grande leitura.

Férias!

10 de janeiro de 2008   —   17:44:02
“Férias” talvez seja a palavra mais bonita do dicionário. E, pela primeira vez em tempos, me afastei do blog não por excesso de obrigações, mas de prazeres.

Tenho me sentido estranho nos últimos dias. Na verdade, tenho tido sensações que há muito tempo não sentia. Começou quando as aulas acabaram e tive férias da faculdade. Depois veio o recesso de fim de ano, e me peguei sem aulas nem trabalho. Deus, há quanto tempo eu não tinha um dia pra ficar em casa, sem pensar em obrigações? Há quanto tempo eu não passava um dia sem me cobrar alguma coisa?

Sei que, nos últimos dias, tenho feito um esforço para cobrar de mim mesmo algum descanso, alguma atenção às coisas que gosto de fazer. Ler os livros atrasados, desenterrar aquele jogo antigo, pôr pra andar a lista de filmes, encontrar os amigos (e amor, vê se volta logo de viagem). Tenho tomado doses maciças de eu-mesmo que têm me feito um bem danado, e tento rejuvenescer hoje os anos que envelheci durante 2007, que já foi tarde.

Penso muito sobre a maneira como levei os últimos tempos, tanto trabalho, tantos estudos e tão pouca distração. Tenho uma preocupação constante sobre como tentar manter a calma quando tudo começar de novo, mas preocupações são algo que minha cabeça está tentando expulsar, eliminar, adiar, então guardo-as para discuti-las depois com quem puder me dar alguma luz.

Mas vamos ao que importa.

Zelda!Finalizei The Legend of Zelda – Majora’s Mask, pra Nintendo 64, que comprei há mais de 4 anos mas nunca tinha tempo pra jogar direito. Bem, agora preciso dum Nintendo Wii pra continuar jogando o resto da linha Zelda. Alguém me dá R$ 1.700,00?

Depois de assistir todos os episódios disponíveis de Lost e Heroes, fiquei órfão de seriados. Comecei a assistir House e Dexter. House é muito bom, o Silveira havia feito uma descrição básica do que se tratava o seriado e lembrei dela quando fui procurar por um seriado novo (meio estranho, não, procurar por seriados?). Dexter tinha sido uma recomendação do meu antigo professor de guitarra, quando eu fazia aulas.

House!

House. Isso vicia.

E tenho tentado pôr pra caminhar minha lista enorme de filmes também, mas House está atrapalhando tudo. E tenho tentado ler um bocadinho também. Como eu estava conversando hoje via MSN, tenho muitos planos pra pouca vida. Se eu somar os livros que existem pra ler, os filmes pra assistir, os lugares pra conhecer, bem, acho que preciso dumas duas vidas.

No mais, tenho conseguido ver bastante as pessoas queridas que não vejo faz tempo. E, quando as aulas voltarem, eu estarei pronto pra outra. Espero.