Protocolo

27 de junho de 2008   —   02:38:32
Ontem, ao baixar o vidro do carro pra pegar um daqueles tíquetes de estacionamento num shopping, fui surpreendido: o vidro recusou-se a subir de volta. Acabei tendo de levá-lo pra consertar bem cedo, afinal não dá pra deixar o carro de janela aberta por aí. E ainda bem que não choveu…

Levei a uma oficina especializada em portas, e aproveitei pra resolver o problema de uma outra peça da porta que havia quebrado há um tempão, mas nada tão urgente quanto o problema da janela. Ao desmontar a porta, o problema do vidro foi resolvido só com uma pancadinha numa peça. Já o conserto da outra peça quebrada foi mais complicado.

No entanto, vendo o problema do vidro ser resolvido facilmente, o mecânico veio com um papo de que era importante abrir a peça onde ele tinha só dado uma batidinha com a mão, dizendo que precisava duma limpeza, que o problema do vidro tanto poderia acontecer de novo em breve, ou podia acontecer nunca, e que limpar a tal da peça era a garantia de não acontecer.

Achei a conversa florida demais, meu tapeômetro interior disparou e achei melhor recusar a limpeza da peça. Ele repete a história do talvez dê problema de novo, ou não, e recuso novamente. Aí vem o dono da oficina, ao qual o mecânico diz que eu recusei a limpeza, e o dono me conta, de novo, que a peça poderia voltar a dar problema… ou não.

Eu estava quase dizendo o que eles deviam fazer com a tal peça, mas acordei de ótimo humor e preferi apenas pagar pela outra peça quebrada. Ao receber o recibo do serviço, eis que o mecânico olha pra mim e fala baixinho: “Ó, isso aqui vai funcionar um tempão. Tome o cuidado de subir e descer o vidro sempre, pra não acumular sujeira nas peças.”

O questionamento até agora é se o dono da oficina e os mecânicos têm algum protocolo pra tapear clientes com serviços desnecessários. Me senti como quem escapa duma pegadinha ao recusar o serviço e, ao final, descobrir que nem precisava.

E assim eu economizei 35 reais.