Take this badge off of me

27 de dezembro de 2008   —   18:20:10
 
Mama, take this badge off of me
I can’t use it anymore.
It’s gettin’ dark, too dark for me to see
I feel like I’m knockin’ on heaven’s door.

 
Devia ser umas cinco horas da tarde, o sol mergulhava no mar atrás da gente e fazia uma pintura bonita no céu, enquanto nós andávamos subida acima, na areia, separados por alguns metros.
 

Knock, knock, knockin’ on heaven’s door
Knock, knock, knockin’ on heaven’s door

 
Olhei para trás. O vento batia nos cabelos longos, que cobriam um pouco o seu rosto, enquanto ela tentava ajeitá-los com os dedos, colocando-os atrás das orelhas. Tinha a boca entreaberta e a respiração de quem cansava-se um pouco com a areia que não ajudava na subida, e de alguma maneira isso parecia lhe conferir um certo charme.
 

Mama, put my guns in the ground
I can’t shoot them anymore.
That long black cloud is comin’ down
I feel like I’m knockin’ on heaven’s door.

 
Alguma coisa pesava entre nós; ela carregava um olhar profundo, melancólico, de quem precisava dizer algo, algo que eu sentia, que eu temia e que eu tentava, em vão, adiar. Parei de caminhar, esperei um pouco e segurei sua mão, numa das últimas vezes que entrelaçamos os dedos, em nossa última tarde juntos.
 

Knock, knock, knockin’ on heaven’s door
Knock, knock, knockin’ on heaven’s door

 
Momentos depois veio o último beijo, alguns dias antes da conversa que não pôde mais ser adiada. A derradeira conversa, que cortava laços, esquecia prazos e abortava planos. Só quem amou já sabe: o último beijo guarda a inocente e miserável covardia de não saber que é o último. E, como todo beijo que se preze, anseia ingenuamente pelo próximo beijo. Que não virá.

Fortaleza e seus lugares

17 de dezembro de 2008   —   01:45:07

O amigo Danny Husk escreveu um texto tão bom que precisei copiá-lo aqui. Ele traduziu bem em palavras o sentimento que tenho ao passar por certos lugares de Fortaleza. Lá vai:

“às vezes, fortaleza ainda consegue surpreender. infelizmente, em 90% dos casos, é simplesmente pela obviedade ululante que beira o ridículo.

vocês conseguem entender o sucesso de lugares, como por exemplo, aquele barôlla grill que fica ali na antônio tomás? deus do céu. como pode? estive lá uma vez, e se trata apenas de uma churrascaria com atendimento e músicas ruins. lotado praticamente todos os dias. aquele engarrafamento, então?

estranho é que você passa realmente a se sentir um peixe fora d’água ao ver quantas pessoas nesta cidade podem ter gostos tão diferentes do seu. você REALMENTE é uma minoria.

nem me importo muito com isto não. mas fico imaginando quando teremos mais opções de “bom gosto” (termo meio escroto, eu sei) se o que faz sucesso por aqui é este infindável mar de mesmice.

sei lá. quem sabe algum dia as coisas possam ser proporcionalmente melhores por aqui. mais opções pros mais variados tipos.

pode ser meu desejo de ano novo?”

 
Nuff said. Não podia estar mais certo.

Respostas curtas

3 de dezembro de 2008   —   20:22:28
Eu juro que tento me conter sobre o assunto, mas meus amigos (e leitores) não devem mais me aguentar falando sobre bicicletas. Mas pedalar, amigos, é um tipo de terapia.

Dia desses, num dos dias de pedalada em grupo, durante uma parada num semáforo, uma colega iniciante perguntou por que eu pedalava tanto. Uma pergunta inocente e que esperava uma resposta curta.

Vi várias coisas passando na minha mente, por dois segundos.


Meses atrás, durante uma viagem para São Paulo, li Cartas a um jovem poeta, livro pequeno de Rainer Maria Rilke, mas grandioso em conteúdo. Há uma citação fabulosa no meio do livro:

“(…) No fundo, e justamente quanto aos assuntos mais profundos e importantes, estamos indizivelmente sozinhos, de modo que muita coisa precisa acontecer para que um de nós seja capaz de aconselhar ou mesmo ajudar o outro, muitos êxitos são necessários, toda uma constelação de acontecimentos têm que se alinhar para que isso dê certo alguma vez.”

A compreensão entre pessoas é algo complicado e, no fim das contas, cada pessoa está só, com sua história, suas motivações, seus dilemas. Podemos sentir compaixão pelo próximo e tentar entendê-lo nos colocando em seu lugar, recomendação típica da prática budista; podemos saber ouvir; mas o real entendimento depende de um longo caminho.


No primeiro episódio da segunda temporada de Lost, Desmond (em uma de suas primeiras aparições na série), encontra Jack num tour de stade (prática que consiste, resumidamente, em correr pelas escadas dum estádio). Jack, médico obstinado em resolver todos os males dos pacientes, se machuca, e Desmond, que tem problemas amorosos, tenta ajudá-lo. Na minha opinião, é um dos melhores diálogos de Lost.

– So what’s your excuse?
– Excuse?
– To run like the devil’s chasing you.
 
Desmond e Jack

Em português, seria algo como:

– Então, qual é sua desculpa?
– Desculpa?
– Pra correr como se o diabo perseguisse você.

A pergunta da minha colega não tinha uma resposta curta. Demorei uns 2 segundos, suspirando, pensando numa resposta. Dei alguma resposta técnica, do tipo “pedalar na frente cansa menos e mantém o ritmo”, e sua dúvida foi satisfeita.

Garota, você nunca entenderia.