Cartas a um jovem poeta

30 de janeiro de 2009   —   02:00:19
“(…) No fundo, e justamente quanto aos assuntos mais profundos e importantes, estamos indizivelmente sozinhos, de modo que muita coisa precisa acontecer para que um de nós seja capaz de aconselhar ou mesmo ajudar o outro, muitos êxitos são necessários, toda uma constelação de acontecimentos têm que se alinhar para que isso dê certo alguma vez.”

Cartas a um jovem poeta

Conheci Cartas a um jovem poeta durante uma viagem pra São Paulo, em maio. É um livro curtinho, com cartas do escritor Rainer Maria Rilke destinadas ao então iniciante Franz Kappus. Conheço duas traduções, uma versão baratinha de bolso, com preço sugerido de 8 dinheiros, da L&PM, e outra mais cara, da Ed. Globo.

Os temas principais do livro, na minha percepção, são arte, solidão e paciência. Embora curto, alguns parágrafos são tão impressionantes que você volta e lê de novo e de novo e de novo. Posso citar, por exemplo, sobre paciência e persistência:

“(…) Ser artista significa: não calcular nem contar; amadurecer como uma árvore que não apressa a sua seiva e permanece confiante durante as tempestades da primavera, sem o temor de que o verão não possa vir depois. Ele vem apesar de tudo. Mas só chega para os pacientes, para os que estão ali como se a eternidade se encontrasse diante deles, com toda a amplidão e a serenidade, sem preocupação alguma. Aprendo isto diariamente, aprendo em meio a dores às quais sou grato: a paciência é tudo!”

Você já se atormentou por questionamentos para os quais não tinha respostas? O Rilke vem e solta:

“Sinto que nunca um homem poderá dar uma resposta às perguntas e aos sentimentos que têm vida no fundo do seu ser. (…) Peço-lhe que tente ter amor pelas próprias perguntas, como quartos fechados e como livros escritos em língua estrangeira. Não investigue agora as respostas que não lhe podem ser dadas, porque não poderia vivê-las. E é disto que se trata, de viver tudo. Viva agora as perguntas. Talvez passe, gradativamente, a um belo dia, sem perceber, a viver as respostas.”

Não adianta procurar respostas desesperadamente para perguntas, elas surgem naturalmente.

E o Rilke também solta trechos sobre solidão e sobre como lidar com ela:

“Existe apenas uma solidão, e ela é grande, nada fácil de suportar. Acabam chegando as horas em que quase todos gostariam de trocá-la por uma união qualquer, por mais banal e sem valor que seja, trocá-la pela aparência de uma mínima concordância com o próximo, mesmo que com a pessoa mais indigna… No entanto, talvez sejam justamente essas as horas em que a solidão cresce, pois o seu crescimento é doloroso como o crescimento de um menino triste como o início da primavera. Mas isso não deve confundi-lo. O que é necessário é apenas o seguinte: solidão. Uma grande solidão interior. Entrar em si mesmo e não encontrar ninguém durante horas.”

Esse último trecho, aparentemente melancólico, pra mim tem uma conotação positiva. Quando ele fala que a solidão é necessária e que é necessário entrar em si mesmo e não encontrar ninguém durante horas, interpreto isso como conhecer-se melhor e aprender a viver bem consigo mesmo. Penso em usar essa citação do Rilke num texto posterior.

Portanto, fica a dica: por míseros R$ 8, você pode ter na sua prateleira um livro que vai dar para seu lápis ou lapiseira muito trabalho selecionando os melhores trechos.

Filmes, filmes e mais filmes

8 de janeiro de 2009   —   10:20:21
Aproveitando as férias e uma clavícula fraturada que me obriga a ter um bocado de repouso forçado, acabei colocando um pouco pra andar a lista de filmes, bastante atrasada. Em tempo: tem filmes bem antigos que até então eu ainda não tinha visto. Se você quer filmes novos com novidades, tente algum site especializado.

Quanto a mim, vamos lá:

Wall-E

Wall-E indo vender sanduíche natural na Praia do Futuro.
“Olha o sssssssanduíssssshhh!”

Wall-E
Devo ter sido a última pessoa a assistir Wall-E. É menos dramático do que os comentários que ouvi sobre o filme me fizeram imaginar, e é melhor do que imaginei que fosse. E a velha fórmula do desenho animado com lição de moral ainda funciona.

Não confundir com este Wally.

Não é este Wally, imbecil.

Transiberiana
Casal de turistas americanos americanos decide viajar na maior ferrovia do mundo (não confundir com o Metrofor, que será o maior ferrorama do mundo). Deve ser uma adaptação de Turistas: a maioria dos russos do filme são pobres, ranzinzas, violentos ou corruptos. Lendo fóruns sobre o filme depois, descobri que os russos não curtiram muito isso, além do fato dos russos serem interpretados por albaneses. Mesmo assim, gostei do filme: vale pela agonia de saber como diabos a história vai chegar ao fim. Vou evitar mais comentários pra evitar spoilers.

Transiberiana

Dizem que o primeiro-ministro da Rússia ficou putin.

O procurado
Blockbuster tremendo onde é impossível não ter a sensação de eu-já-vi-isso-em-Matrix: efeitos especiais parecidos, aquele lance todo de existe-uma-sociedade-secreta-antigona-da-qual-fazemos-parte-e-nós-mandamos-uma-gostosa-lhe-chamar-pra-nos-salvar e um predestinado aprendendo novas habilidades. Muito bom se você quer um filme onde a ação não para.

Napoleão Dinamite
Devia ser uma comédia, mas achei idiota… e olha que eu gosto de comédias idiotas. Tem três cenas boas: a morte da vaca ao lado do ônibus escolar, o baile da escola e o número de dança do protagonista no final. Se você for preso numa ilha deserta onde só tenha esse filme, veja.

Napoleão Dinamite

Só a cara do Napoleão Dinamite já me dava vontade de apertar stop.

Queime depois de ler
Arre. Vi uma série de elogios a esse filme (como no blog do Robson), mas não consegui gostar. Não adianta assistir se você estiver sob efeito de analgésicos pra dor nos ossos: você dorme mesmo.

Sete vidas
Eu não botava a menor fé no Will Smith: detestei Eu sou a lenda e nem cheguei perto de Hancock (dizem que fiz bem). Juro que assisti Sete vidas sem querer (sério, foi sem querer), e é muito bom. Dramão. O Will Smith se redimiu.

Nothing changes on New Year’s Day

2 de janeiro de 2009   —   00:03:06
No fim tu hás de ver que as coisas mais leves
são as únicas que o vento não conseguiu levar:
um estribilho antigo
um carinho no momento preciso
o folhear de um livro de poemas
o cheiro que tinha um dia o próprio vento…

(Mário Quintana)

Engraçado o número de pessoas que vi por aí dizendo “ainda bem que esse ano chato tá acabando”, com o fim de 2008. As pessoas, inconscientemente, têm essa idéia de usar a marcação dos anos pra marcar épocas boas ou ruins. E as pessoas acabam se prendendo mais a dois ou três fatos ruins que a uma dúzia de coisas boas, ou esperando um novo ano pra fazer as coisas mudarem.

Todo fim de ano e ano novo é a mesma coisa: planos, resoluções de ano novo, uma lista de coisas que a gente promete pra si mesmo. E desde 31 de dezembro de 2008 penso sobre como estou começando 2009 dum jeito completamente despretensioso.

Nada de grandes idéias ou metas enormes. Apesar dos pesares, 2008 foi um ano bom. Pra 2009, apenas uma idéia de continuidade: seguir com as coisas que já estão bem em seu caminho. Continuar trabalhando em tudo que está bom e deixar as coisas fluirem…