Casamento entre homossexuais e… o fim da democracia?

23 de maio de 2013   —   13:33:23

Hoje, olhando o Facebook, dei de cara com um texto do professor de Direito da UFC Glauco Barreira Magalhães Filho, que inclusive tem um título de doutor, falando sua opinião sobre a resolução do CNJ que obriga cartórios em todo o Brasil a celebrar casamentos entre homossexuais. Recomendo que você leia o texto dele antes de ler o restante do meu.

Primeiro ele compara a decisão dos cartórios de fazerem casamentos entre pessoas do mesmo sexo a um golpe de estado, e usa o reconhecimento recente de Joaquim Barbosa para fazer mais uma comparação: a fama do ministro seria como a ascensão de Hitler ao poder. A Lei de Godwin — que afirma que toda discussão na internet, a medida que passa, tende a citar uma comparação com Hitler — se aplica nesse caso?

Quase no fim do texto, ele fala que o STF, o CNJ, sei lá, pretende acabar com o Dia das Mães, pois não haverá mais mães. Aí ele usa a técnica rétorica de Medo, incerteza & dúvida (o famoso FUD), apelando para um futuro distópico e impossível para plantar o medo. Plantar o medo usando um argumento mal embasado? Vindo de um advogado, isso é no mínimo um argumento pobre. Vão acabar com os heterossexuais? Gays e lésbicas não podem ter filhos naturalmente? Melhor ainda: e a adoção de crianças por casais de mesmo gênero não faria deles pais e mães?

No fim do texto ele solta um “Deus salve a família!”. Eu não sei que Deus é esse. Não sou muito religioso e tenho minhas crenças e descrenças, mas o Deus que me falaram lá em casa que existia era mais bondoso que esse aí.

Não parei por aí e procurei outros textos do professor pela internet. Em um deles o professor solta: “Acrescente-se a isso o quanto vai sofrer de ‘bullying’ na escola e no dia-a-dia a criança adotada por casais homossexuais quando seus colegas descobrirem que ela tem DOIS PAIS ou DUAS MÃES!”

Mais uma vez a técnica de Medo, Incerteza & Dúvida.

Primeiro que desonra é ser ladrão, não ser filho de gays/lésbicas. Segundo que quem está errado é quem pratica o bullying, principalmente por algo tão pequeno, e não quem sofre. “Casais gays com filhos farão os filhos sofrer bullying” me parece uma variação do “Mulheres com roupa curta vão causar estupros”.

Felizmente a UFC já liberou uma nota falando que a opinião do professor, publicada no site do departamento de Direito, não representa a opinião da instituição. E acrescentou: “Cabe igualmente destacar que a política editorial desta Universidade privilegia o respeito à diversidade de orientação sexual, étnica, cultural, ideológica e religiosa”.

Por essas e outras que um diploma de doutor pode ter seu valor no mundo universitário, mas não me impressiona.

“I wanna fly away…”

25 de março de 2013   —   00:30:30

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=NuSdoA5zBa0&w=480&h=300]

Nos últimos 3 anos, de 2010 pra cá, troquei de emprego duas vezes, incluindo aí uma volta pra empresa de onde havia saído (voltar pra ex, em alguns casos, pode ser um bom negócio). Nessa brincadeira de trocar de emprego, fiquei sem férias.

Antes disso eu estava na faculdade, e entre o fim do meu último estágio (no fim de 2009) e meu primeiro emprego (fevereiro de 2010) tive um mês no limbo, procurando emprego. Não fazia nada, mas desempregado não tá de férias, né?

Bem, ainda antes disso, cheguei a tirar férias remuneradas no estágio (viva a lei que permite férias remuneradas no estágio!), mas tirei pra poder estudar e me formar. Isso, também, não são férias.

Eu vasculhei minha mente, desesperado, e percebi algo trágico: eu nunca consegui combinar férias (de novo, não vale desemprego), renda própria (ou seja, não vale o mimado “papai/mamãe, me dá 10 reais pra eu sair”) e absolutamente nada pra fazer.

Adoro minha profissão, meu trabalho, meus colegas e minha chefe (morram de inveja), mas, cara, tem uma hora que seu corpo pede penico e você tem que parar. Dá insônia, azia… Mas vamos falar de coisa boa? Tirarei FÉRIAS!

A primeira vez que esse evento belíssimo do proletariado ocorrerá, nos meus quase 28 anos de existência, será no dia 5 de abril. E vocês não têm noção da minha ansiedade contando os dias. Dentro de alguns dias, com a consciência limpa de quem trabalhou por isso, tocarei o terror e só a operadora do meu cartão de crédito e a ONU poderão me julgar!

Onde estou?

3 de dezembro de 2011   —   20:28:54

Faz uns meses que apareço pouco por aqui, por motivos diversos. Cheguei a rascunhar algumas coisas que acabei nem publicando por essas bandas, cheguei a achar que ia parar com isso aqui mas esse é um espaço difícil de se desfazer, e até o silêncio por aqui quer dizer muita coisa.

Quando os blogs começaram a aparecer na web, há uns dez anos, as pessoas os definiam com “um blog é um diário que uma pessoa escreve e publica na internet, pra todo mundo ler”, às vezes seguido por um “…coisa de maluco divulgar sua vida assim!”. Talvez por isso os blogs tenham herdado uma característica bacana dos diários: reler isso aqui me faz reencontrar meu eu de épocas passadas, ver o quanto mudei em alguns pontos, me mantive firme em outros, e até mesmo relembrar histórias que esqueci.

Até o silêncio, a ausência, o hiato no blog fala muito sobre mim, mais do que eu conseguiria dizer se eu escrevesse. E agora, respirando um pouco, eu posso falar sobre isso.

Na descrição do meu perfil no twitter (e isso pode não estar mais lá quando você ler esse texto), eu digo que estou “numa busca diária de tempo para livros, discos, jogos e filmes”. E é isso que acontece e resume meus dias. Vamos deixar isso pessoal e falar de mim?

Livros!
Tenho muitos, muitos livros pra ler. A maioria deles eu comprei na época da faculdade (que concluí em 2009) mas até hoje não consegui ler todos. Agora mesmo acabei de ler A Caçada ao Outubro Vermelho, que comprei no fim de 2008 numa promoção do Submarino, e que achei razoável, provavelmente por problemas de tradução.

Comprei há uns dias os quatro primeiros livros da saga A Song of Ice and Fire, que inspirou a série Game of Thrones da HBO. A ideia é ler pelo menos os dois primeiros livros até a segunda temporada começar, o que os colocou na frente da fila dos livros que já tenho. Vou falar de séries logo abaixo.

A fila de livros é razoável: tem livros que vão desde temas religiosos (eu gosto de ler sobre religiões diversas, história das religiões, etc.), passando por romances de guerra até chegar em alguns clássicos. Quando eu for lendo vou colocando por aqui. 🙂

Música! Áudio!
Quanto mais coisas novas eu conheço, mais eu volto pros clássicos. Quanto mais eu conheço e escuto coisas como Beatles, Paul McCartney, Rolling Stones, Led Zeppelin e outras coisas mais antigas, mais eu me questiono porque não os escuto antes de experimentar as coisas da atualidade.

Em tempo: preferi o disco do Noel Gallagher’s High Flying Birds que o do Beady Eye.

Pra não falar só de música, vou falar de um vício que adquiri depois de adquirir meu primeiro iPod esse ano: podcasts. Eu tinha um puta preconceito com eles, achava que seria chatice passar uma hora ouvindo gente falando de assuntos diversos… mudei de ideia.

Minhas recomendações são o RapaduraCast (sobre cinema), 99 Vidas (jogos, normalmente jogos antigos), Nerdcast (uma abordagem bem humorada, às vezes demais, sobre temas diversos) e 6 Minute English (dicas de inglês em inglês, da BBC).

Jogos!
Nunca gostei muito de jogos de computador (com exceção de Starcraft e Commandos, meus eternos favoritos), já que gostar de jogos de computador implica em comprar uma placa de vídeo todo ano e fazer um investimento pesado em hardware para conseguir rodar bem os jogos. Sempre preferi consoles: o seu PS3 vai rodar o jogo numa qualidade igual ao PS3 do seu amigo, e assim está bom. Ah, e dá pra jogar deitado olhando pra TV.

Esse ano comprei um PS3, que convive em harmonia com meu Wii. Para o PS3 eu recomendo Heavy Rain, Uncharted 2 (estou devendo o resto da série…), Mortal Kombat. Também tenho gostado da série Call of Duty: eu tinha um preconceito com jogos de tiro de primeira pessoa mas gostei de Black Ops e World at War.

Comprei uma coletânea chamada Sonic’s Ultimate Genesis Collection, com trocentos jogos de Genesis (que no Brasil ficou conhecido como Mega Drive) para jogar no PS3, com alguns do Master System e arcade de brinde. Pretendo, qualquer dia desses, jogar os quatro primeiros jogos da série Phantasy Star.

No Wii tenho me distraído com o novo Zelda: Skyward Sword. Parece uma mistura do Twilight Princess com o Wind Waker e até agora não tenho uma opinião formada, apenas um “está bom até então”. Também gostei do Donkey Kong Country Returns. Apesar de decepcionar com poucos títulos bons, a Nintendo ainda é a que melhor entende de jogos de plataforma.

Filmes (e séries)!
Eu tenho uma longa lista de filmes-que-todo-mundo-viu-menos-eu e minha namorada sempre tropeça num deles dizendo “como assim tu nunca viu?!”. Ao mesmo tempo, vou tentando acompanhar os filmes novos que vão saindo, e, por mais que eu evite repetir, sempre tem um que eu acabo vendo novamente.

Tenho deixado meio de lado a maioria das séries que eu acompanhava. Tenho visto apenas Dexter (que não decepciona e continua ótima na sexta temporada) e estou na terceira temporada de Arquivo X. Sempre me diziam que era uma série datada e que não seria boa hoje, mas tenho achado a série ótima.

Também recomendo a nova série Game of Thrones, da HBO, da qual gostei muito da primeira temporada e, como falei acima, vou ler os livros.

E mais…

  • Tenho tentado voltar a pedalar com regularidade e a glicemia (sou diabético, pra quem não sabe) tem agradecido.
  • Estou no segundo semestre do curso de francês da Wizard, que tem sido legal pra caramba. Estou gostando da língua e do curso, recomendo a quem quiser aprender esse idioma.
  • Também venho tentando ver filmes e séries sem legendas ou com legendas em inglês pra melhorar o convívio com a língua.
  • Trabalhando e sempre.
  • Volta e meia tendo dar uma mexida em alguma coisa nova de programação em casa, só pelo prazer de programar e aprender algo novo. Faz bem pra cabeça e pra sanidade.

É isso. Acho que deixei uma boa marca aqui para que eu volte daqui a uns anos e reencontre meu eu do passado e lembre onde eu estava em novembro de 2011. 🙂

Quarta-feira de Cinzas

9 de março de 2011   —   00:15:20

Acabou a festa, os tambores se calaram, os confetes agora repousam sobre o chão. O clima de festa vai passando, e as pessoas se lembram que precisam trabalhar. E eu, amigo leitor, também preciso trabalhar!

Há quem diga que no Brasil o ano novo só começa depois do Carnaval. Eu, tolo, achava que estava à parte desse processo, mas parece que as energias que regem o território brasileiro estão acima da minha vontade: por alguma coincidência absurda, meu ano igualmente parece que só começará depois do Carnaval.

Porque parece que a queda dos confetes levou junto a neblina e dá pra enxergar algo que ainda não sei o que é. As pessoas pensam na volta pra casa e seguem por estradas engarrafadas, o trânsito volta ao aperto que todos conhecemos e não amamos.

No meio desse aperto todo nas ruas tortuosas da vida, eu penso num novo caminho, na esperança de encontrar um caminho bom, que seja fluido por muito tempo. Trago comigo o cansaço de quem não aguenta mais procurar alternativas, mas também a determinação de encontrar o melhor pra si, sempre.

Se os pés cansaram de sambar (os meus infelizmente não o fizeram esse ano), chega a hora de dar uma voadora com as duas pernas. O Carnaval acabou, a Quarta-feira de Cinzas chegou, mas que não seja esse um motivo pra alegria ir embora.

Começa agora um Carnaval onde não se sabe mais o que é alegoria e quem está de máscara, mas meu bloco vai entrar nessa avenida fazendo muito barulho…

O que faz um bom professor?

20 de agosto de 2010   —   09:51:00

Há alguns meses, conheci o Camilo no trabalho. Ele era líder técnico do meu projeto; um profissional de bons atributos, que sabia a hora de ouvir e falar, que sabia comunicar-se bem com o cliente e tinha bom jeito em reportar-se à equipe.

O Camilo, porém, optou pela carreira de professor do curso de Engenharia de Software da UFC, no campus de Quixadá, universidade de onde deixei de ser aluno do curso de Computação (em Fortaleza) há alguns meses, não sem algumas cicatrizes. E ele já chegou recebendo bons retornos para seus ensinamentos, por mais simples que sejam:

"professor, segui seu conselho, me matriculei num curso de inglês" #naoTemPreco
@ccalmendra
Camilo Almendra

Não pude deixar de dar os parabéns pelo bom trabalho ao Camilo… à minha maneira:

Com @ccalmendra, o número de professores bons na Computação da UFC se aproxima de meia dúzia! FORÇA, AMIGO!
@esdrasbeleza
Esdras Beleza

O professor Miguel Franklin, também pertencente ao departamento de Computação, e do qual não cheguei a ser aluno, se manifestou no dia seguinte:

Respondi o professor, dando os curtos argumentos que o twitter me permitia, de forma resumida:

@mfcastro, o conceito de "professor bom", pra mim, é aquele preocupado com a formação do aluno e menos com o ego. Conheci poucos. 🙁
@esdrasbeleza
Esdras Beleza

Sendo mais claro, dando alguns atributos:

@mfcastro professor bom, pra mim, é aquele que passa motivação, com didática e não terrorismo. Um título de PhD não vale sem isso. Concorda?
@esdrasbeleza
Esdras Beleza

Mas pensei: “Nunca tive aula com o Miguel, eu não poderia incluí-lo dentro ou fora disso e isso realmente soa injusto”. Usando menos do humor negro e tentando desfazer uma generalização causada por resumo das ideias, tentei explicar melhor minha colocação (assassinando um pouco os bons princípios de ortografia para conseguir fazê-la caber em 140  caracteres):

@mfcastro, posso fazer minha colocação soar - radical e + clara: dos professores *que conheci* na Comp. da UFC, considero poucos bons.
@esdrasbeleza
Esdras Beleza

Mas twitter é microblogging, e uso meu blog, que é um espaço menos limitado, pra manifestar melhor minha opinião.

O que faz um bom professor? Como todo bom profissional, eu acho que um bom professor deve saber motivar aqueles que dependem dele. No caso do professor, deve fazer um aluno se interessar por aprender, mostrando os horizontes e as novas possibilidades que os assuntos estudados podem lhe abrir. O bom professor deve auxiliar o aluno com dificuldades, tornando seu caminho mais claro, dando luz às ideias. Tanto é que, em alguns cursos e palestras, o professor é chamado de facilitador.

Leia as seguintes frases:

  • “Comigo só passa se sofrer”;
  • “Se o aluno está achando isso aqui difícil, é melhor ele ir pra [nome de uma das faculdades particulares mais conhecidas de Fortaleza, achei melhor omitir];
  • “As médias da turma subiram nessa prova, vou fazer a próxima mais difícil”;
  • “Eu estou aqui pra fazer raiva a vocês, pra vocês quererem se livrar de mim e estudarem pra passar”;
  • “Não quero que você fique triste com essa nota baixa, quero que fique com raiva e estude”;
  • “Se vocês pensam que vão ganhar dinheiro com isso [Computação], desistam”.

Sofrimento, raiva, desistência… Isso soa motivacional? Até o Capitão Nascimento ficaria assustado.

Todas as frases acima foram ditas por professores para mim, para colegas específicos ou para a turma. Isso não me soou como motivação. Me parece, como falei no meu tweet, problema de ego: a pessoa tem um pouco de autoridade e precisa usá-la ao extremo, demonstrar o poder que seu título de PhD e seu cargo de professor lhe trazem.

Mas nem tudo é ruim. Tive lá alguns professores que sabiam ensinar, que sabiam motivar, que sabiam cumprimentar alunos no corredor. Com alguns tento manter contato até hoje e tive sagrados ensinamentos, alguns não apenas sobre Ciência da Computação, mas sobre a vida. Conheço alguns amigos que vão terminando seus mestrados e doutorados e voltam para a universidade no papel de professores. Se o que eles me dizem estiver certo, eles estão fazendo de lá um lugar melhor e quebrando esse ciclo de mastigação da autoestima discente.

O Camilo conseguiu incentivar um aluno a fazer um curso de inglês, algo fora da universidade, para que isso tivesse um retorno para sua vida como aluno e profissional. É uma porta que se abre. Fica, então, a pergunta para os demais professores: por que fechar portas se você pode abri-las?