Câmera lenta

9 de janeiro de 2011   —   15:13:05

Era uma tarde de sexta-feira. Caminhava com o andar lento como a tarde, que se recusava a passar. Cada hora parecia um dia, uma semana. “Life in slow motion”, dizia uma canção que já não ouvia há uns anos. Vida em câmera lenta. Essa era a sensação.

Quando olhou pra cima viu o céu levemente nublado. Pensava em como poderia sair daquela prisão, como poderia resolver os problemas. E olhava as nuvens. E lembrou de uma ou outra canção falando de nuvens. “Motor que não se move, nuvem que não se vai”. Mais um sentimento que só podia ser explicado por um verso presente em algum lugar. Pra que servem as músicas, afinal?

O tempo não passava mais. Não dava pra enxergar a solução no meio da neblina. Não dava pra ver um metro além do nariz. Não dava pra ver uma semana além do dia de hoje. Não sabia onde ou como estaria no mês que vem. A imprevisibilidade é algo doloroso, a indefinição é algo que corroi por dentro e a impermanência está sempre pronta pra atacar. Tanta leitura sobre budismo e a impermanência sempre chegava pegando de surpresa, essa velha pegadinha sacana que a vida apronta.

Queria pegar um ônibus, um avião, um navio, qualquer coisa que  levasse pra longe dali. Pegar uma rota de fuga em alta velocidade, pra ver se assim os problemas se jogariam e se apertariam no fundo da mente e do coração. Pra ver se, em algum lugar distante, encontraria alguma clareza de pensamento e paz de espírito. Pra ver se, em algum lugar distante, encontraria-se novamente. Estaria, assim, livre dos pequenos venenos que a rotina libera todo dia em nossa alma, dos pequenos vícios cotidianos. Deixaria pra trás os problemas, dúvidas e necessidades, venceria a correnteza dum oceano que insiste em resistir à ação dos passos.

Em algum rádio vindo Deus sabe daonde, como que por milagre, viria aquela canção que toca na hora certa, que tudo explica e tudo resolve. E tudo ficaria melhor, as ideias estariam bem acomodadas na cabeça, os sentimentos estariam confortáveis no coração, o presente estaria sendo bem vivido com sorrisos e o futuro estaria num lugar seguro. Pra que servem as músicas, afinal? Servem para, um belo dia, tocarem na hora certa e salvarem a vida de alguém.

Mas hoje não há música, só há silêncio. E aquela nuvem no céu, ah… ninguém sabe se vai passar ou se vai chover.

2011. E aí?

3 de janeiro de 2011   —   00:27:36

2011 está aí, e toda aquela coisa de fazer planos. Quando eu penso em 2011 e olho pra frente, eu só vejo uma grande interrogação. Então, os planos são poucos e pouco exatos, mas não pequenos ou irrelevantes.

Acho que buscar mais as pessoas de quem gosto e que gostam de mim parece um bom plano. Tomar conta da saúde tão bem quanto em 2010 também soa legal. Um amigo meu falou que tinha como uma das metas de 2011 “ser mais calmo”. Bacana, embora eu tenha medo que seja um daqueles planos que não dê pra realizar, mas a gente tenta assim mesmo. Será que eu consigo?

Mas o réveillon passou, a segunda-feira está aí, e é hora de falar menos e fazer mais. Vamos?