13 de September de 2005   —   08:59:59

Dúvidas e algumas certezas

“preciso me perder como preciso de ar
perder o rumo é bom
se perdido a gente encontra
um sentido escondido em algum lugar”

(Engenheiros do Hawaii, em Faz Parte)

“as the sun moves away from the earth
I feel serene”

(Dead Poets, em Serene)

Isto não é um fim,
um recomeço ou promessas.

O dono do rosto no espelho visto há pouco tempo não o reconhece mais. O reflexo pouco importa, os olhos refletidos na superfície polida aprenderam a enxergar por trás da imagem, e vêem agora o efeito de tudo. O dono do rosto no espelho visto há pouco tempo não o reconhece mais, reafirmo. Fosse um tempo atrás, sentiria-se perdido. Hoje, sente-se aliviado; vê o reflexo de alguém que cansou de alimentar os egos alheios às custas da sua dor, e tem buscado um pouco de amor-próprio.

[I feel serene]

Não há a insônia desesperadora duma noite num quarto de hotel. Talvez não haja a morbidez das tardes na praia. Se há a desesperança de telefonemas regados a lágrimas, não se sabe. Também não se tem conhecimento se tudo isso passou ou apenas está sendo ignorado. O dono do reflexo cansou de sofrer, de crucificar-se, flagelar-se. Ainda carrego um bocado de sonhos desfeitos numa mão, mas agora também levo um punhado de convicções na outra.

Teorema: existem amigos.
Prova: estou vivo.

Temos como verdade a existência dos amigos. Há amigos que ajudam, outros que são ajudados, outros que recusam ajuda pois se julgam muito bem, como se pudessem acabar com os problemas ou suas consequências por decreto. Em todo caso, aprendi alguma coisa com todos eles. O problema dos outros sempre parece mais fácil que o nosso, ainda que seja o mesmo, e isso faz a gente aprender a enxergar melhor no escuro. E no meio de tantas pessoas iguais à gente, ou pelo menos com o mesmo problema, finalmente entendi o que um professor meu quis dizer quando falou que o equilíbrio pode surgir do caos.

No meu caminho, vi quem trocasse o certo pelo duvidoso e acabou pagando o preço. Há quem se prenda a desejos antigos, príncipes encantados, projetos quaisquer, sonhos cuidadosamente moldados dentro dum quarto, uma busca por perfeccionismo que só causa frustrações. Quem se fixa muito aos planos às vezes esquece de realizá-los. A vida é muito mais que isso, e eu escolhi sair um pouco de casa e procurar um jeito de viver.

E, com a paciência que agora eu tenho, um dia eu vou achar.

  1. e como seria says:

    voce estará aqui.. como vai ser? yes or no?

  2. Sem palavras para escrever, muitas pra dizer, feliz. =****

  3. Mônica says:

    eu jah disse q eu amei o acontecido. pq agora esdras sái da toca. amos pessoas fora da toca.viver, esdras, viver.=**********************************eu sou a pessoa mais feliz com esse texto do esdras. mais feliz. a mais feliz! o/=**********************************o/ /o o/ /o o/ /o o/ /o

  4. Eu sorrio, ó?[parabéns! a gente se vê na quinta, anyway…]

  5. rebeca says:

    eu consegui ver cada pessoa em cada linha.bjos =*

  6. Maria says:

    As vezes é bom enfrentar as portas e paredes seguras. Se arriscar pode trazer uns arranhões mas tb traz um monte de coisas boas.saudade dos abraços.

  7. Suyá says:

    é muita experiência de vida, ou é espírito velho?Esse texto é pra desembassar o vidro dos nossos olhos =)

  8. sam says:

    eu tenho que você vai achar. daí tudo pega e me arranja o rascunho do caminho :*

Leave a Reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.