Autobiografia de uma vida bandida
Capítulo de hoje: o dia da pedrada

Estamos em 1992. Eu tinha, então, 7 anos de idade. Era agosto ou setembro, se não me engano uma segunda-feira, entre meio-dia e duas da tarde. Eu estava no estacionamento do prédio, brincando sozinho por ali.

Perto de mim estavam dois vizinhos meus, eram irmãos e brincavam – vejam que inteligente – de atirar pedras um no outro. De repente, sinto a dor e a pancada: fui atingido por uma pedra perdida. Saí correndo e subi as escadas enquanto o sangue escoava da minha cabeça. Daria pra fazer uma galinha à cabidela, parecia mais sangue do que poderia caber num Barra Pesada numa segunda-feira. Lembro de quando me olhei no espelho e meu rosto estava com a metade manchada de vermelho.

Fui pro hospital perto daqui de casa e deram 2 pontos na minha testa, e até hoje tenho a cicatriz, que se esconde um pouco por causa do cabelo. E ainda não entendi que tipo de criança brinca de atirar pedras nas outras.

6 thoughts on “

  1. E eles não tinham se acertado ainda?Você foi o primeiro a ser pegue na brincadeira então, né?O que será que eles iam fazer quando acertassem um ao outro?Iam matar a pedra no peito?

Leave a Reply to Perpétua Cancel reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.