Citações (II)

“Que a covardia não me amarre os braços, não me trave a língua, não me faça engolir os beijos que estão pousados em meus lábios. Que a covardia não me vende os olhos, não espalhe monstros, não me sussurre medos. Que a covardia não me descubra pequena e frágil numa caixa de segredos. Que a covardia não me pregue peças, não me tire o nome, não me mate de fome à beira da mesa posta. Que a covardia não encrave as frases na garganta. Que eu seja forte e alta, que eu descubra asas e que ouse usá-las. Que eu esqueça os fundos, os absurdos, os desmundos e faça de mim mesma a flor na água, a prece clara, o céu limpo. Que eu seja capaz de querer o infinito.”

Por Patrícia Antoniete – link

3 thoughts on “Citações (II)

Leave a Reply to Perpétua Cancel reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.